Trekin – uma amiga forasteira.

Trekin é uma amiga que vive viajando pelas galáxias visitando amigos e trazendo novas ideias e renovando as esperanças dos povos. Trekin ama viajar, sua nave é a sua casa, por isso ela nunca se sente perdida e nem tem problemas com as bagagens, tudo está sempre no mesmo lugar. Trekin é a mensageira da esperança, como ela existem milhões espalhadas pelo universo, mas só podem enxergar quem acredita nelas.

Trekin pode estar em qualquer lugar em questão de segundos, ela é transportada pela força do seu pensamento, ela recebe a mensagem quando um planeta, uma galáxia precisa de ajuda e vai em direção deste lugar para renovar as esperanças, com suas sementinhas mágicas que são distribuídas no ar e as pessoas mais sensíveis são contagiadas e saem distribuindo a todos que encontra pelo caminho. Esses sementinhas são como pequenas luzinhas que vão parar no coração e o aquecem trazendo uma sensação boa de aconchego e esperança em um dia melhor.

Algumas pessoas chamam Trekin de fada, de duende, de luz; mas na verdade Trekin era uma borboleta que queria ser uma criança, ou uma criança que queria ser borboleta para espalhar o amor através de seus lindos voos e seu desejo um dia virou realidade, é o que os anciões nos contam, ela nunca envelhece e não se cansa de espalhar o amor e a esperança.

Que Trekin possa visitar o seu planeta para contagiar todos com muito amor e esperança!

Aloha!

Anaya Hanna.

Anúncios

Dia da Alegria!

Hoje é o dia de comemorarmos a alegria de viver!

Eu e meus amigos da escola vamos fazer um piquenique na floresta encantada.

Chegamos todos na floresta com nossos lanches e muito contentes, pois hoje é um dia de descanso na escola para que possamos aproveitar o dia inteiro em brincadeiras, jogos, conversas e um gostoso lanche comunitário.

Adoro quando a escola planeja estas atividades livres, pois podemos curtir nossos amigos e a vida!

Nossos pais não ficam preocupados, pois sabem que estamos na floresta encantada e ela é protegida por duendes e pequenas fadinhas.

Nosso dia foi de muita brincadeira, corremos muito, as aves e as árvores cantam felizes por nossa visita.

Nossa visita na floresta é sempre cercada de muito respeito pela natureza, por isso não deixamos nenhum lixo, cuidamos para sempre podermos voltar e encontrarmos as nossas amigas árvores e os animais bem de saúde. Se deixarmos algum lixo, isso mata nossos amigos.

Brincamos até tarde, depois como a fome apertou fomos comer para voltar para casa.

Hoje foi um dia de muita alegria para todos nós.

Aloha!

Anaya Hanna

Ajudar faz bem!

Estamos todos empenhados em ajudar o planeta de nossa amiga Anahi! Ela ficou muito contente, pois aos poucos seus amigos da escola e da sua vizinhança estão entendendo que muito além do que nós ajudarmos eles precisam querer mudar.

Com nosso intercâmbio estamos podendo trocar experiências com eles e também aprendemos muitas coisas que não sabíamos. Em nosso última visita pudemos observar que várias pessoas estão fazendo mutirões para a limpeza das ruas e com isso eles não estão sofrendo tanto com as enchentes nas ruas, estão se ajudando para recuperar o planeta. Existe muita coisa a ser feita, mas o legal é que eles arregaçaram as mangas e começaram, isso é muito importante.

Nós aqui de Ubuntu ficamos muito alegres porque agora eles começaram a entender que o planeta é a casa deles e que para continuar a viver eles precisam cuidar e não destruir.

Anahi nos contou que ainda existem muitas pessoas que pensam apenas no dinheiro e no poder e por isso ainda destroem a natureza, mas que com o tempo eles vão sim conseguir mudar essa mentalidade e todos vão proteger a mãe natureza.

Uma grande lição que aprendemos com o povo Dakariano é que ajudar faz bem, principalmente quando não temos nenhum interesse.

Nas asas da esperança!

Ter esperança é poder estabelecer uma ponte entre o que desejamos e o que está acontecendo, é ter fé que algo possa mudar mesmo quando não vemos saída.

Com esse pensamento em mente decido conversar com meus amigos para pensarmos o que poderíamos fazer para ajudar nossa amiga Anahi e seu planeta.

Eu, Aliel, Tati e pingo nos encontramos na floresta encantada para conversarmos com as árvores da sabedoria e buscar conselhos para manter nossa esperança de dias melhores para Dakaraí.

Ao chegar na floresta, somos recebidos por Dona Matilde, uma das árvores mais sábias, ela ouve nossa história sobre o planeta Dakaraí e nossa ânsia em querer ajudar e com toda paciência que cabe aos sábios ela nos olha balança suas folhas e sorri.

– Meus queridos, vocês estão muito preocupados e entendo o quão urgente é a situação, mas vocês sozinhos não poderão fazer muita coisa, vocês precisam de ajuda e mais ainda vocês precisam da ajuda dos Dakarianos, porque se eles não quiserem mudar, nada pode fazer com que essa mudança seja colocada em prática. Pensem bem em como vocês poderiam mobilizar a população e como fazer eles entenderem que o que estão fazendo está prejudicando a toda população e ao planeta e que prejudicando todo o planeta está prejudicando o Universo, por isso todos nós queremos ajudar.

Nos olhamos com desânimo, – como poderemos fazer isso Dona Matilde? não temos ideia de como mobilizar tanta gente que não quer receber ajuda!!! Por favor nos ajude indicando um caminho.

-Crianças que tal começar pelo começo? que tal com uma boa conversa com pequenos grupos que logo podem se transformar em grandes grupos!

– Verdade – disse Tati – Podemos começar com o pessoal da escola, depois com os pais destes e eles irão formando novos grupos, vai demorar, mas vamos conseguir!

-Verdade – disse Pingo demonstrando que aprovava a ideia da Dona Matilde.

As outras árvores foram dando ideias de como reunir as pessoas, do que deveríamos falar, contar sobre o nosso planeta, convidà-los a conhecer a nossa realidade, contar sobre a história de quase destruição que fez com que hoje cuidassémos melhor da nossa casa.

– Estou animada pessoal! agora realmente entendi que ter esperança é confiar em algo que ainda não podemos ver, pois está em construção e tudo começa com nossos pensamentos.

No final do encontro todos nós estávamos animados e dispostos a voltar a Dakaraí e começar logo o trabalho com nossos novos amigos, tenho certeza que Anahi ficará muito contente com nossa ajuda.

As árvores sábias tinham razão precisamos ter paciência e aprender com nossos erros e saber respeitar a decisão dos nossos amigos e de seu povo. voltamos para casa com a satisfação de saber que podemos sim fazer a diferença!

Aloha!

Anaya Hanna

Eu e o Mundo!

A visita a Dakaraí mexeu muito com todos nós, por mais que tentássemos entender não conseguimos compreender como um povo pode destruir seu próprio planeta, na verdade, como uma parte pequena de um  planeta pode por causa do poder dominar a maior parte e ainda contribuir para destruir um planeta tão bonito como Dakaraí? Ficamos indignados com tudo o que vimos, com todo o descaso dos governantes com os cidadãos, mas também não entendemos como esses mesmos cidadãos agem com a preservação do planeta, eles não cuidam, notamos apenas uma pequena parcela que respeita a mãe natureza, foi muito triste constatar tudo isso. Ainda não me conformo!!!

Nossos mestres que nos acompanharam durante a viagem de intercâmbio nos explicaram que por mais que quiséssemos ajudar, tínhamos que ter paciência, pois o povo deve mudar por atos de consciência e não por insistência de um outro povo, por pressão, porque isso não seria reconhecer o erra e consertar, seria agir de uma forma em que não se acredita. Por isso estaríamos errando e não ajudando. Podemos contribuir, mas só quando o povo reconhecer a necessidade de ajuda, enquanto isso podemos contribuir com quem necessita e solicita essa ajuda, podemos também mostrar com nossas ações como fazemos para preservar nosso planeta, quem sabe através de nossos exemplos eles se animam!

Confesso que as vezes fico desanimada, mas nossos mestres têm razão, eles vão perceber que precisam mudar de atitude e nós estaremos aqui para ajudá-los. Com esse pensamento em minha mente adormeço sonhando com dias melhores para o povo de Dakaraí.

Discussão sobre a visita a Dakaraí

 

Hoje foi dia de nos reunirmos para contar sobre nossa viagem a Dakaraí, todos estavam curiosos na escola.

Contamos como as pessoas nos receberam bem, foram simpáticas, porém apesar de nos receberam bem ficaram desconfiadas com nossa ajuda, eles acreditavam que estávamos interessados em comandar o planeta deles e foi difícil convencer do contrário, sabemos que muitos ainda pensam assim. Procuramos explicar para eles que se estavamos tentando ajudá-los é porque já fomos um planeta criança e também quase destruímos nosso planeta e foi o esforço de um planeta coirmão que nos ajudou e  hoje podemos retribuir.

Mesmo com toda essa desconfiança procuramos observar para entender como poderíamos intervir, aconselhar; notamos que eles poluem os rios, o ar, existe muito barulho, o planeta é super populoso e os governantes não pensam no povo que deviam servir como servidores públicos, eles pensam apenas em poder e dinheiro e as pessoas que dependem dos serviços passam por muitas privações. Um planeta com tantas riquezas naturais: ar, água, terras, minerais, sendo destruído pela cobiça em acumular riquezas. O povo esquecido e passando privações enquanto uma pequena minoria se beneficia da riqueza do planeta.

Apesar de entendermos que eles passam por um momento de transição, foi com pesar que presenciamos vários embates entre eles o que nos entristeceu muito, mas não desistimos e vamos procurar estar presentes sempre que eles precisarem, o que nos deixou animados apesar de tudo foi a vontade de milhares de pessoas empenhadas em preservar e cuidar do planeta e de seu povo.

Essa viagem a Dakaraí nos deu a oportunidade de conhecer outro povo, seu modo de ser, o qual respeitamos e nos colocamos a disposição para ajudar no que pudermos, estamos torcendo para que o povo de Dakaraí entenda a força que possuem e que uma pequena parcela da população não tem o poder de decidir por todos e se estão nesta posição isso pode ser mudado. Toda força ao povo de Dakaraí!

Aloha!

Anaya Hanna

De volta a Ubuntu

 

Deixamos Dakaraí com muita esperança de que as pessoas comecem a olhar mais para o planeta como a casa deles e entendam que precisam preservar para garantir a vida.

Chegando em Ubuntu fomos recebidos por uma comissão de voluntários do governo e recebemos uma medalha de agradecimento por nosso trabalho em Dakaraí, um planeta distante do nosso, mas que agora passamos a cuidar também como co-irmão.

Hoje foi um dia de festa, pois pudemos sair de nosso planeta para ajudar outro planeta, ainda temos muito o que fazer em conjunto com nosso co-irmão, mas estamos contentes por terem aceitado ajuda e estamos esperançosos de que eles possam preservar o planeta e as vidas e regridam no processo de autodestruição.

Nosso planeta também já foi um planeta criança e precisou de muito tempo para que todos nós entendessêmos que o bem comum está acima dos individuais, que as riquezas do planeta são de todos e não apenas de alguns. Levamos séculos para entender princípios simples, perdemos tempo com guerras, desentendimentos, ganância, ilusão pelo poder; só depois de quase destruímos nosso planeta entendemos que precisávamos cuidar de todos para sobrevivermos.

Hoje somos um planeta que se preocupa não só com nosso povo, mas também com outros planetas e outros povos, pois entendemos que todos nós fazemos parte de uma força, uma luz suprema, que nosso brilho só tem sentido quando acompanhado do brilho do outro.

Aloha!

Anaya Hanna

Dia de plantar

Hoje foi o grande dia de plantarmos juntos com os estudantes de Dakarí sementes de flores e sementes de árvores frutíferas. Todos nós estávamos bem contentes, pois além destas mudas esperamos ter plantando nos corações e mentes dos Dakarianos a importância de cuidarmos dos nossos planetas, da nossa mãe natureza, pois assim estamos cuidando de nós mesmos e das gerações futuras.

Fizemos uma bonita homenagem a todos do Planeta Dakaraí através dos nossos mestres que discursaram na escola, estamos todos animados com essa parceria entre os dois planetas, sabemos que nada se transforma de um dia para o outro, mas aos poucos, e a semente já plantamos, agora é regar e aguardar novos frutos.  Esperamos que o povo Dakarianos reconheçam a força que tem para lutarem junto por um planeta melhor, começando cuidando um do outro.

Amanhã é dia de voltarmos para Ubuntu e levamos conosco a esperança de termos feito o nosso melhor neste primeiro intercâmbio, voltaremos mais vezes, assim como nos visitarão mais vezes para trocarmos experiências e aprendermos cada vez mais.

Que o povo de Dakaraí perceba que somente com a união de todos o planeta pode ser um lugar melhor para se viver. Plantando a paz para todos. A juventude e a experiência dos idosos deve ser levado em conta quando pensamos em preservar um planeta, pois os idosos muito nos ensinam com sua experiência e as crianças muito têm a aprender para garantir paz às novas gerações.

Aloha!

Anaya Hanna.

Reunião

Já pudemos sentir que teremos muito trabalho aqui em Dakaraí. Notamos que as pessoas aqui precisam de ajuda, não entendem que suas atitudes estão destruindo o seu planeta, poluem rios, mares, ar, terra, contaminam os alimentos com agrotóxicos. Fizemos uma reunião com os alunos da escola de Anahí e contamos tudo que tínhamos observado e que eles poderiam ajudar a melhorar a vida de todos.

Existem pessoas aqui que tem muitas casas, muitas terras, e outras que não tem nada, moram nas ruas, ou em casas em locais de risco a vida, apesar de conversarmos com os alunos, muitos não demonstraram sentir algo por essas pessoas, alguns se mostraram surpresos, outros já sabiam do que estava acontecendo  e queriam ajudar.

Vamos procurar ajudar, pena que nem todos querem ser ajudados, eles acham que o problema é do outros e que não tem nada a ver com isso, estranhamos pois em Ubuntu, nos preocupamos com todos e o bem estar de um é o de todos. Esses Dakarianos são estranhos mesmos.

Hoje em nossa reunião pudemos dar algumas sugestões do que faríamos, como pensar no outro antes de tomarmos qualquer atitude que afeta a todos. Por exemplo se  continuarem a jogar lixo nas águas como poderão preservar a vida marinha? como poderão desfrutar de um gostoso banho no mar? Em todas as nossas ações devemos saber que vão gerar algo para todos, por isso devemos refletir sobre nossas ações.

Combinamos de realizarmos algumas palestras nas escolas próximas e também uma campanha para limpeza das praias próximas. Muitos participaram, outros não se entusiasmaram, mas não desistimos, continuamos nossas atividades em defesa da vida.

Na volta combinamos um dia de semear, amanhã iremos plantar sementes de flores nas praças e na escola plantaremos sementes de árvores frutíferas. Estamos esperançosos que mais pessoas se juntem a nós na defesa da vida, sabemos que não conseguiremos convencer a todos, mas cada pessoa que se convence de que sua atitude ajuda a preservar o planeta nos sentimos vitoriosos, pois é uma pessoa a menos para destruir.

Aloha!

Anaya Hanna

Visita a cidade de Luken

Luken é a cidade luz de Dakaraí, muito movimentada, iluminada, barulhenta, super populada. A primeira vista parece uma constelação de estrelas de tanto que brilha, mas com o passar das horas o brilho intenso das luzes cansa nossa visão o barulho ensudersedor começa a afetar nossa capacidade de raciocíonio, fora o ar poluído que incomoda os olhos, nariz; bem dificil essa visita. Enquanto ao redor do Colégio era um pouco mais calmo devido a presença de muitas belas árvores, esse local da cidade é bem agitado. Passamos o dia visitando os principais locais e todos os lugares notavamos que as pessoas andam agitadas, parece que sempre estão perdendo algo.

Anahí junto com seus amigos nos guiaram por essa visita a cidade de Luken e notamos que eles já estão acostumados a toda agitação, agora entendemos porque Anahí não conseguia apreciar a beleza da natureza em Ubuntu, ela está tão blindada para tudo ao redor que ficar algum tempo contemplando algo pode ser realmente muito difícil.

Percorremos vários pontos da cidade, lojas, shoppings,restaurante; tudo isso é muito importante para observarmos como podemos ajudar Anahi e seu Planeta para a preservação dos bens naturais.

Durante todo o dia pudemos perceber o quanto eles disperdiçam utensílios, como copos, guardanapos, sacolas; tivemos a impressão que para eles tudo é lixo, tudo é descartado, tudo pode ser comprado de novo, e vivem nessa loucura.

Sentimos muito pela mãe natureza que aqui é esquecida, constroem pontes, ruas destruindo espaços verdes, árvores; matam as águas dos rios jogando coisas que acreditam que não servem mais.

Anahí nos explicou que as pessoas que dirigem o seu Planeta não estão comprometidas com o bem comum, isso é muito ruim e não ajuda nada o povo e seu planeta.

Teremos muito trabalho pela frente, mas não vamos desistir. Queremos que eles enxerguem os bens que existem no planeta e que eles precisam deles para viver por muitas gerações.